fbpx

Lutar não é crime: Pela imediata absolvição dos 23 ativistas condenados

Lutar não é crime: Pela imediata absolvição dos 23 ativistas condenados
Crédito da foto:Mídia Ninja

Fomos surpreendidos com a decisão do Juiz da 27ª Vara Criminal da Capital, Flavio Itabaiana, que condenou os 23 manifestantes que participaram dos protestos que questionavam a Copa de 2014 e a farra de favorecimentos orquestrada pela quadrilha do MDB no Brasil. Essa decisão é baseada na Lei Antiterror que a presidenta Dilma utilizou à época para criminalizar os protestos.

A decisão, considerada inconsistente por advogados dos movimentos sociais, imputa aos ativistas penas que variam de 5 a 13 anos de reclusão em regime fechado. A decisão ainda pode ser modificada através de recurso aos tribunais superiores, mas demonstra o compromisso do judiciário em criminalizar as manifestações politicas que denunciaram as remoções forcadas, as violações de direitos humanos cometidas por agentes do Estado e a repressão armada usada para silenciar os manifestantes.

O PSOL-RJ esteve presente nas manifestações ocorridas em 2013 e 2014 que questionaram as escolhas feitas pelos governos nesse período que antecedeu a Copa Mundial. Gastos exorbitantes, obras superfaturadas, remoções forcadas e ilegais, feitas em nome de garantir lucro e enriquecimento de empresas e de diversos políticos. Sergio Cabral Picciani e seus aliados quebraram o Estado do RJ e se beneficiaram financeiramente com a transformação do Rio em “cidade-mercadoria.

Durante todo esse período milhares de pessoas foram às ruas protestar e as manifestações alcançaram vultos significativos. E incomodaram. Alcançaram vitorias importantes como a redução do preço das passagens de ônibus. Criminalizar os movimentos em luta foi a saída encontrada para segurar o entendimento adquirido nas ruas de que “só a luta muda a vida”.

Em 2013 esses ativistas começaram a ser investigados e perseguidos. Em 2014 foram presos com o aval do então Ministro da Justiça de Dilma, José Eduardo Cardozo e foram massacrados pela mídia grande ao serem equiparados à “terroristas”.

Condenamos veementemente essa decisão da justiça e nos colocamos ao lado daqueles que estão sendo perseguidos, cujo único “crime” foi o de denunciar o enriquecimento ilícito de governantes em detrimento da precarização da vida de centenas de milhares de pessoas.

Que a justiça se ocupe de investigar e denunciar todos aqueles e aquelas que se beneficiaram com os demandos feitos em nome dos megaeventos em nosso Estado e reveja a sentença que condena os 23 ativistas.

Pelo direito de se manifestar!
Lutar não é crime!
Todo apoio aos 23!

Partido Socialismo e Liberdade do RJ

Sobre o autor

Equipe da Secretaria de Comunicação Nacional

Assuntos Relacionados