Contra a repressão militar aos caminhoneiros, redução imediata do preço dos combustíveis

Contra a repressão militar aos caminhoneiros, redução imediata do preço dos combustíveis

O governo Temer decretou nesta sexta-feira intervenção federal, liberando o uso das Forças Armadas para reprimir e desbloquear as estradas do país diante da manutenção da greve dos caminhoneiros. Apesar da tentativa de acordo entre governo e entidades dos caminhoneiros a maioria da categoria parece não reconhecer como satisfatório esse acordo e o número de bloqueios nas estradas subiu para 521 locais.

Resolver esta crise com a solução militar é inaceitável e irresponsável. A situação do povo brasileiro é dramática, a greve dos caminhoneiros é uma expressão da política ultraliberal do governo Temer e de Pedro Parente na condução da Petrobras. A raiz desta crise é a política de preços dos combustíveis sob a ditadura do mercado. Inaceitável que além de manter essa política que está levando a aumentos de toda ordem que impactam a maioria esmagadora da população (combustíveis, tarifas, gás de cozinha, alimentos) o governo queira resolver esta crise com a repressão militar.

Não aceitaremos soluções militares para a crise social agravada por este ilegítimo governo!

Além do rechaço à intervenção, defendemos a articulação de atos amplos e unitários de ativa solidariedade aos caminhoneiros e contra a intervenção militar. Defendemos que centrais, frentes, movimentos populares e sindicatos busquem articular-se para ações unitárias. A militância do PSOL deve engajar-se nas mobilizações articuladas por estes atores, repudiando qualquer forma de intervenção militar e fazendo nítida demarcação com a extrema-direita e o oportunismo de segmentos empresariais que visam maximizar seus lucros com isenção de impostos e superexploração dos trabalhadores.

Defendemos a completa revisão da política de preços da Petrobras e anulação dos aumentos dos combustíveis, do gás e das passagens. Defendemos, ainda, a completa reestatização da Petrobrás.

Não à Intervenção militar, não à repressão!  Nenhuma suspensão de direitos civis ou individuais relativos à organização sindical!

Imediata retomada dos canais de negociação com os caminhoneiros!

Solidariedade aos caminhoneiros e a mais ampla unidade de ação para repudiar a intervenção!

Anulação dos aumentos e revisão da política de preços para os combustíveis! Fora Parente! Fora Temer!

Executiva Nacional do PSOL

25 de maio de 2018

Sobre o autor

Equipe da Secretaria de Comunicação Nacional

Assuntos Relacionados