Jean Wyllys | Aécio Neves já pode pedir música no Fantástico

Jean Wyllys | Aécio Neves já pode pedir música no Fantástico
Crédito da foto: José Cruz/Agência Brasil

É inacreditável a situação do presidente nacional do PSDB, Aécio Neves! Depois de ter o primo e a irmã presos preventivamente, ambos acusados de corrupção em esquemas para beneficiá-lo, o senador já recebeu contra si três pedidos de prisão! Todos baseados em indícios irrefutáveis, inclusive o lendário grampo do senador Romero Jucá, líder do PMDB, no qual ele diz que “Aécio seria o primeiro a ser comido pelas investigações”.

Aécio parece que desfruta de uma espécie de proteção dos lordes, através da qual todas as suas condutas mais absurdas e escancaradas são blindadas com o apoio tanto dos colegas no Legislativo, na base do governo, quanto no Judiciário, que por alguma razão se mantém inerte enquanto ele descaradamente arma sua própria impunidade e garante a continuação de esquemas que sacrificam a população em benefício de empresários corruptos.

E ainda mais surreal é a reação de Gilmar Mendes que, ministro do Supremo, ao invés de se manifestar nos autos do processo que vai julgar, prefere se reportar à imprensa, e como se fosse o advogado de Aécio, e não o membro julgador da denúncia. O ministro, de fato, chegou a defender Aécio por telefone para jornalistas, como se fosse da sua assessoria jurídica, dizendo que o procurador-geral se comporta politicamente.

A impressão é que, de repente, Aécio vai pedir uma música no Fantástico do próximo domingo, depois de marcar três pedidos de prisão no campeonato brasileiro da primeira divisão em corrupção. Ou talvez suas excelências estejam esperando por provas mais robustas dos crimes praticados por ele, como um longa-metragem da sua carreira ou, quem sabe, um concerto musical sob o tema das relações promíscuas que ele manteve durante todos os últimos anos com os empresários que já fecharam acordos de delação premiada.

É verdadeiramente um achincalhe o que estamos assistindo.

Sobre o autor

Jean Wyllys é deputado federal pelo PSOL-RJ.