Base de Temer acelera reforma trabalhista no Senado e apresenta relatório em comissão

Base de Temer acelera reforma trabalhista no Senado e apresenta relatório em comissão
Crédito da foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

A base de sustentação de Michel Temer no Senado Federal deu mais um passo importante na investida para aprovar a reforma trabalhista (PLC 38/2017) naquela Casa. Nesta terça-feira (13/06), o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) fez a leitura de seu parecer na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), favorável à reforma e mantendo o texto conforme foi aprovado na Câmara dos Deputados.

Na reunião foram lidos, também, os quatro votos em separado, apresentados por integrantes da comissão. Nos destaques, a oposição questiona itens centrais da proposta, como a jornada intermitente , a prevalência do negociado entre patrão e empregado sobre a legislação, os obstáculos ao acesso à Justiça do Trabalho e o enfraquecimento dos sindicatos. A votação na CAS está prevista para a próxima terça-feira, dia 20 de junho, mas a bancada de oposição não tem acordo com a data e quer mais tempo para debater o mérito.

O desmonte trabalhista foi aprovado, por 14 votos a 11, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) no último dia 6, sob relatório também de Ferraço. A proposta de reforma ainda precisa passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de seguir para votação no plenário e, então, para a sanção de Temer.

Durante a tramitação da matéria na Câmara a bancada do PSOL denunciou o que está por trás dessa reforma, que é parte do ajuste fiscal do Palácio do Planalto e que praticamente acaba com os direitos trabalhistas. Os deputados votaram contra a matéria no plenário e convocaram a militância do partido para seguir resistindo, com o objetivo de garantir a derrota definitiva dessa proposta e também da reforma da Previdência.

Sobre o autor

Equipe da Secretaria de Comunicação Nacional