PSOL defende imediata prisão de Aécio Neves, já afastado do mandato de senador

PSOL defende imediata prisão de Aécio Neves, já afastado do mandato de senador
Crédito da foto: Agência Brasil

A revelação da empresa JBS, do mesmo grupo mantenedor da gigante Friboi, que veio à tona na noite desta quarta-feira (17/05), após mais uma delação da operação Lava-Jato, parece ruir as estruturas do governo de Michel Temer e tudo que está em sua volta. Depois de serem divulgadas gravações demonstrando que o presidente ilegítimo comprou o silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, cassado no ano passado, agora um dos seus principais aliados virou o maior alvo do escândalo. O presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, (MG), foi afastado, na manhã desta quinta (18), do seu mandato de senador. A decisão foi do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin.

A Procuradoria Geral da República (PGR) também pediu a prisão de Aécio, mas Fachin decidiu encaminhar o caso para apreciação do plenário do Supremo. Reportagem publicada pelo jornal “O Globo” revelou que o dono do frigorífico JBS, Joesley Batista, entregou à PGR uma gravação na qual Aécio pede ao empresário R$ 2 milhões.

No áudio gravado por Joesley, com duração de cerca de 30 minutos, o presidente nacional do PSDB justifica o pedido dizendo que precisava da quantia para pagar sua defesa na Lava Jato. O senador tucano é alvo de seis inquéritos no Supremo relacionados à operação.

Para o PSOL, os últimos fatos comprovam, mais uma vez, que Temer e seus aliados não têm mais nenhuma condição de se manterem à frente do país. O comando do Palácio do Planalto, que já vem enfrentando dificuldades para aprovar a reforma da Previdência, agora está prestes a ruir definitivamente. Da mesma forma, Aécio Neves tem que ser preso.

Para o presidente Nacional do PSOL, Luiz Araújo, as denúncias de ontem são tão graves, que mostram que, mesmo após as delações da Lava Jato, figuras que estão em cargos chaves continuaram tramando para impedir o avanço das investigações. “Os vazamentos das delações, indicando inclusive pagamento de propina do senador Aécio Neves, não levam a outro caminho que não seja o nosso apoio a sua prisão. Da mesma forma que Eduardo Cunha foi preso pelos mesmos motivos”, ressalta.

Araújo também reforça a defesa do PSOL para que Temer seja amplamente investigado e que novas eleições sejam convocadas, para ouvir a vontade do povo brasileiro. “Temer cometeu um crime no exercício do mandato, o que obriga que o STF o investigue e que a Câmara resolva rapidamente, ou pela renúncia, ou pelo impeachment ou pela cassação da chapa, com convocação diretas imediatas para o país. No nosso entendimento, a única forma de pacificar o país é devolver ao povo o direito de escolher os rumos”.

O PSOL na Câmara, juntamente a outros partidos de oposição, já articula um pedido de impeachment de Temer, que será protocolado nesta quinta-feira, às 17h, além da exigência da renúncia do presidente. Também está avaliando protocolar, no Senado Federal, um pedido de cassação de Aécio Neves.

 

Sobre o autor

Equipe da Secretaria de Comunicação Nacional