OIT afirma que não há evidência de geração de empregos através da reforma trabalhista

OIT afirma que não há evidência de geração de empregos através da reforma trabalhista
Crédito da foto: Bruna Menezes/Liderança PSOL

O diretor da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Peter Poschen, criticou o discurso do governo federal de que a legislação vai “modernizar” com a reforma trabalhista, melhorando as condições do mercado de trabalho. Ele destacou que pode haver um impacto negativo, que é desproporcional sobretudo entre mulheres, jovens e migrantes.

A declaração ocorreu durante audiência conjunta da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, na última quarta-feira (10).

Na ocasião, Poschen afirmou ainda que o argumento de que a reforma vai gerar emprego se baseia em pouca evidência, uma vez que a experiência internacional mostra que nem sempre a mudança na legislação consegue gerar empregos e o ciclo econômico costuma ser importante na criação de postos de trabalho.

O diretor não negou a necessidade de uma modernização da CLT, mas defendeu que essa não é a melhor maneira de ser conduzida, uma vez que está “vaga”. Além disso, criticou o fato de o governo estar tocando a reforma trabalhista concomitantemente à previdenciária, o que pode gerar discordâncias entre os projetos. “É preciso coerência das políticas”, finalizou.

Sobre o autor

Foto de perfil de PSOL Nacional

Equipe da Secretaria de Comunicação Nacional