Jean Wyllys | A carne mais cara do mercado

Jean Wyllys | A carne mais cara do mercado
Crédito da foto: Paulo Whitaker/Reuters

A atuação de mega empresários junto ao poder público para aumentar seus lucros sem aumentar a produtividade ou a inovação, como se vê por sucessivas fraudes nos mais diferentes setores da economia, está na raiz da paralisação econômica do Brasil e ajuda a explicar uma boa parte da má gestão do governo.

Atuando através de lobistas, corrompendo funcionários públicos ou criando empresas privadas fantasmas e contas em paraísos fiscais, executivos que figuram entre as pessoas mais ricas do país foram capazes, no episódio mais sórdido, até de vender carne podre para o consumo em escolas públicas do estado do Paraná. Sendo que o objetivo é o mesmo: aumentar os rendimentos sem necessariamente aumentar as vendas.

Se antes já tínhamos assistido a um expoente da chamada bancada evangélica ser preso, quando descobriram que Eduardo Cunha tinha contas na Suíça e carros importados em nome da empresa Jesus.com, agora parece que chegou a vez dos seus aliados de sempre: a bancada do boi. Também eles cresceram muito a sua representação no Congresso através de campanhas muito bem remuneradas e sob suspeitas de fraudes eleitorais e práticas de corrupção no exercício dos cargos. O escândalo das carnes podres está diretamente ligado a tudo isso; de fato, a Friboi foi durante muito tempo uma das principais financiadoras de campanhas do país.

A incompetência para fiscalizar as irregularidades e as mudanças feitas na legislação para agradarem aos empresários do agronegócio são uma consequência da colonização da política, do Judiciário, do Ministério Público e da mídia pelos seus interesses. Como esquecer o engajamento para aprovação do Código Florestal por parte da bancada financiada exatamente pelas empresas denunciadas na última sexta-feira (17/03) por venderem carnes estragadas? É impossível.

A cada passo que se dá em investigações, descobre-se que os reais interesses das bancadas do boi, da bala e da bíblia, articuladas em uma série de retrocessos para o país, são muito diferentes dos da população em geral. Na realidade, descobre-se, cada dia com mais certeza, que são militantes dos seus próprios interesses, previamente articulados com os donos do dinheiro para satisfazer seus objetivos pessoais. Que são os mais mesquinhos possíveis. De lição desse mais recente escândalo, devemos tirar seriedade para enfrentar esse conluio.

Sobre o autor

Foto de perfil de Jean Wyllys

Jean Wyllys é deputado federal pelo PSOL-RJ.