Temer libera R$ 800 mi de emendas parlamentares às vésperas da votação da Reforma da Previdência

Temer libera R$ 800 mi de emendas parlamentares às vésperas da votação da Reforma da Previdência
Crédito da foto: Fábio Pozzebbom / Agência Brasil

Faltando pouco mais de um mês (segundo as previsões do governo) para a votação da PEC 287/2016, que trata da Reforma da Previdência, Michel Temer liberou um lote alto de recursos destinados a obras indicadas pelos congressistas de sua base. As “emendas parlamentares”, modo como são chamados, estavam há mais de dois meses sem liberação e já foram inclusive alvos de queixas de prefeitos e deputados, que no início do ano dirigiram-se aos ministérios para questionar o atraso.

No total, foram cerca de R$ 300 milhões destinados a emendas de responsabilidade de seis partidos aliados, segundo a Folha de São Paulo. Além disso, de acordo com integrantes da própria equipe presidencial, o total pago a toda a base chega a R$ 800 milhões. Essas emendas são a maneira como parlamentares direcionam recursos para obras em sua base.

O momento é “oportuno” para a liberação das verbas: a Reforma da Previdência, altamente rejeitada pela população, está prestes a ser votada, e o governo federal precisa garantir seu apoio sem que a base aliada no parlamento tente mudar pontos da proposta. O atraso, portanto, não foi aleatório: Temer calculou muito bem o momento, usando mecanismos de compra de influência para manipular seus interesses.

As pastas que receberam os recursos foram a de Saúde, Cidades e Turismo e a lista de obras beneficiadas foi encaminhada aos ministérios. Michel Temer, assim, expõe cada vez mais seu jogo sujo, na tentativa de aprovar um projeto neoliberal e elitista que massacra os direitos historicamente conquistados pela classe assalariada.

Sobre o autor

Equipe da Secretaria de Comunicação Nacional