PSOL-DF critica violência policial contra manifestantes em Brasília

PSOL-DF critica violência policial contra manifestantes em Brasília
Crédito da foto: Mídia NINJA

Leia a nota do PSOL-DF sobre a repressão policial ao último ato contra a PEC 55, no dia 13:

NOTA DO PSOL-DF SOBRE A ATUAÇÃO DA POLÍCIA E DO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL DURANTE AS MANIFESTAÇÕES DE 13 DE DEZEMBRO DE 2016 CONTRA A PEC 55

Mesmo antes de iniciados os protestos que tiveram lugar em Brasília, estranhamos o operativo ostensivo da Polícia Militar do DF. Durante concentração, no Museu Nacional, os manifestantes e quaisquer pessoas que tivessem a intenção de seguir para a Esplanada eram indiscriminadamente revistadas. Vinagre, leite de magnésia e máscaras cirúrgicas, artefatos que são utilizados para segurança das pessoas frente aos já conhecidos ataques da polícia, foram arbitrária e inexplicavelmente confiscados pelos policiais militares. Além disso, logo na altura da Catedral Metropolitana, havia uma barreira policial impedindo o ato de alcançar o seu objetivo, qual seja, o de protestar em frente ao Senado Federal, onde estava sendo votada a abjeta PEC 55.

Ao não deixar o ato caminhar, em flagrante desrespeito ao direito de livre manifestação, uma situação de tensão foi criada entre manifestantes e policiais. As cenas que se viram a seguir foram de forte repressão ao movimento, com uso desproporcional de força policial, gás de pimenta, bombas de efeito moral e bala de borracha. Na dispersão essas cenas se repetiram, inclusive ferindo pessoas alheias à manifestação. A polícia permanecia cercando os manifestantes, chegando a usar armas de choque. Em um momento posterior, as prisões e a persecução indiscriminada de todos aqueles que entrassem no campo de visão das forças policiais acabaram dando a tônica, como tornou-se tristemente comum em atos dessa natureza.

Após a dispersão total da manifestação, vários estudantes (muitos deles de outras cidades) estavam dispersos pelas quadras enquanto tentavam evadir-se do ato e acabaram detidos sem que pesasse sobre eles qualquer acusação. Não bastasse isso, a polícia ainda mostrou o seu despreparo esguichando spray de pimenta contra pessoas que estavam nos restaurantes locais.

Oitenta e oito pessoas foram detidas no total. Alguns foram soltos somente na madrugada. Várias violações foram cometidas. Em um primeiro momento, foi negado o acesso de advogados aos manifestantes detidos. Policiais homens revistaram mulheres. Os presos do sexo masculino ficaram horas encarcerados em área sem cobertura, tomando chuva, e sem acesso à colchões.

Soubemos ainda, com espanto, que pretende-se aplicar ao caso dos manifestantes a infame Lei de Segurança Nacional, escrita antes da Ditadura civil e militar e que ainda é usada como um instrumento de criminalização dos movimentos sociais.

Nos manifestamos com preocupação sobre os ocorridos, pedindo a averiguação dos fatos, e responsabilização sobre os excessos cometidos.

O PSOL se solidariza com os militantes que foram presos pela Polícia Militar e a todos que sofreram os atos de violência durante a manifestação, ao mesmo tempo que denuncia o verdadeiro estado de terror implantado na Capital do país pelo Governador Rodrigo Rollemberg, que é responsável direto pelos atos de sua tropa de choque e pelo descomunal aparato de repressão utilizado contra os manifestantes.

Fora Temer! Diretas já! Abaixo a repressão!

Brasilia, 15 de dezembro de 2016.
Partido Socialismo e Liberdade – PSOL-DF
Antonio Carlos De Andrade (Toninho) – Presidente

Fotos: Mídia NINJA

 

 

Sobre o autor

Foto de perfil de PSOL Nacional

Equipe da Secretaria de Comunicação Nacional