GREGÓRIO DUVIVIER: “Não se mate ainda, não”

GREGÓRIO DUVIVIER: “Não se mate ainda, não”

*Artigo de Gregório Duvivier, originalmente publicado no site da Folha de São Paulo nesta segunda-feira (13/06).

“O pessimista fica feliz duas vezes: quando acerta e quando erra.” Por incrível que pareça, Millôr foi das pessoas mais otimistas que conheci. Nunca me esqueço um dia em que alguém contou um caso bárbaro de violência televisionada, concluindo que “o mundo tá a cada dia mais violento”. Ao que o Millôr retrucou: “Você já ouviu falar na técnica de empalamento? Já ouviu falar no genocídio armênio? Já viu fotos de um gulag? O mundo nunca foi tão pouco violento; a gente é que nunca foi tão bem informado.”

Não se mate ainda, não. Apesar de tudo de ruim que pode haver no mundo, dos Bolsonaros e Temers e Trumps, é sempre bom lembrar que, salvo exceções, o mundo está progredindo, sim. Devagarinho, claro. Mas está. Claro que está.

Quem acha que a juventude está perdida não frequentou nenhuma escola ocupada. Quem acha que o machismo venceu não está acompanhando a multiplicação de blogs feministas bons. Quem acha que o Rio não tem jeito ainda não deve saber que o Freixo vai para o segundo turno, e vai ganhar.

Quem acha que não se faz mais música boa não ouviu o último disco da Elza Soares. Também não deve ter ouvido o da Clarice, nem o do Tibério, nem o da Teresa Cristina cantando Cartola. Nunca ouviu o piano do Vitor Araújo, o violão do Vinícius Sarmento, a rabeca do Beto Lemos. Tudo com menos de 30 anos, ou um pouquinho mais.

Quem não vê mais graça em poesia não está lendo Alice Sant’Anna, Angélica Freitas, Ana Martins Marques, Corsaletti. Procure ler. Tudo com menos de 40 ou um pouquinho mais.

Quem acha que cinema brasileiro não presta não viu “Que Horas Ela Volta?”, “O Som ao Redor”, “Tatuagem”, “Casa Grande”, “Entre Abelhas”, filmes feitos no Brasil e nos últimos anos -com recursos públicos, claro. Catchim, catchim (som do dinheiro batendo na minha conta).

Quem acha que não se faz mais teatro que preste não viu “In on It” (em cartaz às quartas e quintas em São Paulo; corra), não viu “Gabriela” (também não vi, mas sei que é lindo, acabou de estrear; corra), não viu “Estamira”, “Mamãe”, “Incêndios”, “Tragédia Latino-Americana” e tanta coisa que não cabe aqui.

Claro. Nem tudo são flores. O mundo nunca foi tão chato -isso sem dúvida, se você não quiser abdicar do direito de ser machista. Nunca foi tão caro, se você quiser ter vários empregadas. Nunca deu tanto trabalho, se você quiser repetir racismos.

A vida do presidente interino, por exemplo, deve estar um inferno. E, quanto a isso, para ele não há otimismo possível. Vai piorar.

Sobre o autor

Equipe da Secretaria de Comunicação Nacional