A culpa é sua, Rollemberg: PSOL rebate declarações do GDF sobre desmaio de aluno

A culpa é sua, Rollemberg: PSOL rebate declarações do GDF sobre desmaio de aluno
Crédito da foto:Marcelo Camargo / Agência Brasil

O PSOL DF rebateu, nessa segunda-feira (20), as recentes declarações do Governo do Distrito Federal (GDF) sobre o estudante que desmaiou de fome em escola pública.

Em entrevista no fim de semana, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) tratou o absurdo caso como uma “questão pontual” da família, tirando a responsabilidade de seu governo na gestão das escolas.

Para a direção do PSOL, há apenas um culpado pelo caso: Rollemberg. Na nota divulgada, o partido critica, ainda, a política de austeridade dos governos do DF e, também, o federal, sob o comando de Michel Temer.

“A escola, vítima da política de austeridade do governo distrital, fornece alimentação abaixo das necessidades nutricionais das crianças e seus professores estão sendo arrochados e perdendo direitos”, afirma a direção do PSOL no DF.

Leia a nota completa (também disponível no Facebook)

A CULPA É DO GDF!
PSOL-DF rebate declarações do GDF sobre desmaio de aluno

Semana passada uma criança desmaiou numa escola pública do Distrito Federal. O garoto é morador do Paranoá Parque, um empreendimento do Minha Casa, Minha Vida. Uma área sem a infraestrutura necessária e sem escola, dentre tantas localizadas na periferia da capital do país. Temos várias vítimas, mas somente um culpado pelo acontecido.

A criança e sua família são vitimas da política de austeridade federal, que jogou milhões no desemprego e aumentou o número de brasileiros na linha da pobreza. Sem escola perto de casa, precisa percorrer 30 quilômetros todos os dias para exercer o seu direito constitucional.

A escola, vítima da política de austeridade do governo distrital, fornece alimentação abaixo das necessidades nutricionais das crianças e seus professores estão sendo arrochados e perdendo direitos.

A culpa é do governo Rollemberg. Ao contrário do que tentou insinuar em nota o GDF. A família, abandonada à própria sorte e vivendo da pequena ajuda de programas de renda mínima, certamente faz de tudo para manter vivos os seus filhos e mandá-los todos os dias para a escola. É um absurdo jogar a responsabilidade para as principais vítimas de seguidas políticas de arrocho e pela absurda falta de emprego e condições de moradia.

A culpa é do governo, dos governos distrital e federal. Parceiros na política de austeridade, que repassam para os mais pobres o ônus de uma crise provocada por eles. Suas medidas visam garantir o religioso pagamento dos encargos da dívida pública, beneficiando menos de cinco mil famílias ricas brasileiras, as quais não sabem o que são as dificuldades de milhões de crianças como a que desmaiou na escola do DF. São as mulheres e os negros e negras os mais atingidos pela política de austeridade. A família do menino que desmaiou é exemplar dessa afirmação.

O PSOL repudia a atitude do governo do DF, se solidariza com a luta dos moradores do Paranoá Parque pela construção de uma escola na região, por melhores condições de moradia, apoia a luta dos desempregados contra as políticas de austeridade, está junto com os servidores públicos que enfrentam o governo e suas políticas de retirada dos direitos.

E mais, exigimos que o GDF, de forma transparente, explique para a sociedade o motivo de constantes reduções na qualidade do cardápio da alimentação escolar, apresentando motivos e providências. E exigimos também que sejam garantidos os direitos dos moradores das regiões periféricas, cidadãos brasilienses esquecidos pelo governo.

20 de novembro,
Diretório do PSOL-DF

Sobre o autor

Equipe da Secretaria de Comunicação Nacional

Assuntos Relacionados